Como economizar na conta de energia utilizando minigeração

Autor: Miguel Damásio

 

As atuais tarifas na conta de energia vêm levando os consumidores a procurarem alternativas para diminuir a suas contas de energia e poupar dinheiro. Um dos principais meios para a redução dos gastos em relação ao consumo de energia elétrica na atualidade é a minigeração de energia, que é nada mais nada menos que o aproveitamento de fontes renováveis para a geração de energia, como a radiação solar, os ventos ou as pequenas quedas d’água.

Desde abril de 2012, a partir da consolidação da Resolução Normativa ANEEL número 248/2012, o consumidor brasileiro pode gerar sua própria energia elétrica a partir de fontes renováveis e fornecer o excedente para a rede de distribuição de sua localidade. Como desdobramentos dessa resolução temos uma população mais consciente dos meios renováveis de geração de energia e um quadro geral econômico melhor, tanto para as concessionárias quanto para os clientes. Os sistemas de minigeração são sempre acoplados aos sistemas das concessionárias, uma vez que muitas vezes o sistema supre apenas parte da demanda domiciliar.

De forma geral, toda a energia produzida pela minigeração é consumida onde é gerada, porém em caso de produção excedente – como na maioria dos sistemas não há uma forma de armazenamento – a concessionária absorve todo o excedente e fornece “créditos de energia” que podem ser utilizados pelo consumido quando necessário. Por exemplo, um sistema de minigeração fotovoltaico produz toda a energia necessária para a manutenção de uma casa durante o período de incidência solar, porém para a utilização da energia pelo turno noturno são utilizados os “créditos de energia” gerados pelo sistema durante o dia.

Os sistemas de minigeração podem ser utilizados não somente no meio residencial como também no meio comercial, o que pode ser muito interessante devido aos grandes telhados das áreas comerciais como shoppings. Referente aos shoppings, ainda podemos destacar a geração por meio da queima de matéria orgânica, pois como sabemos as praças de alimentação dos grandes shoppings geram toneladas de lixo orgânico mensalmente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *